Uma história resumida do autismo - Por Merrick Egber para o blog da Fundação Els For Autism

Em comemoração ao Mês da Conscientização do Autismo em 2017, escrevi uma série de três partes instigante e reveladora sobre a história do autismo. Para o post deste mês, decidi resumir o que aprendi escrevendo essa série.


A primeira pessoa a cunhar o termo 'autismo', que vem da palavra grega 'autos' ou self - foi um psiquiatra suíço chamado Dr. Eugen Bleuler (foto acima) em 1911. Ele viu uma série de sintomas em um subconjunto de o que ele via como pacientes esquizofrênicos – esquizofrenia foi outro termo que ele cunhou – que estavam todos relacionados o suficiente para criar um novo diagnóstico. Sua impressão de “autismo” era que deixava o paciente “totalmente retraído, alheio às pessoas ao seu redor e completamente absorto em si mesmo”.


Quando o autismo se separou da esquizofrenia é um tema debatido. Alguns diriam que foi o neurologista soviético – Grunya Sukhareva – em 1927, outros ainda apontariam para o exemplo muito mais proeminente do Dr. Leo Kanner, um psiquiatra infantil austríaco que tinha uma clínica em Baltimore, Maryland. Lá ele receberia um indivíduo de Forrest, Mississippi conhecido como Donald Gray Triplett ou “Cliente No.1”, que foi o primeiro indivíduo formalmente diagnosticado com autismo, embora fosse chamado de “autismo infantil” pelo Dr. Kanner. Dr. Kanner notou que o Sr. Triplett não compartilhava nenhuma das características do que era considerado 'esquizofrenia' e, em vez disso, exibia muitos traços incomuns que ele nunca tinha visto antes, mas que eram entendidos como autistas.


Na mesma época, outro psiquiatra austríaco, conhecido como Dr. Hans Asperger, estava fazendo avanços na pesquisa que ele conduziu em indivíduos que compartilhavam muitas das mesmas características de Donald Gray Triplett. Ele passou mais tempo com seus pacientes em suas fases de vida e até abriu uma escola para seus clientes especializados. Foi mais de uma década após sua morte em que a variante conhecida por ele, e minha variante, seria caracterizada como “Síndrome de Asperger”. Sua reputação, no entanto, foi prejudicada por suas associações questionáveis ​​com os nazistas, que discuti com meu co-apresentador Dr. Nate Shanok no Fore! Autism Podcast – oficializado pela nossa Fundação no último episódio e um dos nossos favoritos.


Na década de 1960, uma das principais teorias de por que o autismo existia veio na forma de um desacreditado professor da Universidade de Chicago chamado Bruno Bettelheim. O Sr. Bettelheim postulou a “Teoria da Mãe Geladeira” que supunha que o autismo era causado pela falta de tratamento e cuidados adequados da mãe para com a criança. Embora isso tenha caído no esquecimento do consenso científico convencional, ainda existem pessoas e partes do mundo que acreditam que essa teoria ainda tem peso.


Foi somente após as mortes do Dr. Kanner e do Dr. Asperger, no início dos anos 80, que o autismo se tornaria conhecido como é agora. Filmes como “Rain Man”, enquanto uma compreensão antiquada do que é o autismo, ajudaram a consolidar a ideia de quem é uma pessoa com autismo na consciência popular, e pessoas como a Dra. Temple Grandin ajudaram a mostrar o quão complexas nossas vidas realmente são. Surgiram organizações, como a nossa, dedicadas a nos ajudar a contar nossas histórias e a nos ajudar a viver a vida que realmente queremos viver, um dia de cada vez.


7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Síndrome de Asperger surgiu devido ao psiquiatra e pesquisador austríaco Hans Asperger, sua história possui algumas vertentes pelo fato da sua descoberta ter sido feita com estudos no período nazist